Mensagens da Alma
Quero partilhar a minha visão, a minha perspectiva sobre a vida. Quero ser fator de soma no mundo, quero levar amor, esperança, luz, e conhecimento a onde for, quero acender luzes nos corações e nas mentes de quem as minhas palavras ou pinturas, ou movimentos chegarem.
Mensagens da Alma
Hoje preciso de partilhar, e não é mentira, mesmo que seja um de Abril. Às vezes não há palavras para a nossa alma se expressar, e neste caso o sentimento é de que o corpo é pequeno para uma alma tão excitada, tão cheia de energia, de potência, de amor, de ideias, de criatividade, de vontade de dar, para também receber. Toda a vida eu gostei de comunicar, sempre fui curiosa, sempre procurei as razões das causas por detrás das pedras que bloqueiam o caminho. Sempre gostei de plantar sorrisos e dúvidas saudáveis no outro. Já tive certezas, mas neste momento a minha maior alegria é não ter certeza de nada. No entanto, a minha alma tem vindo a querer falar comigo cada vez com mais intensidade, penso que este cancro foi mais uma forma de ela me dizer que, ainda que não seja uma certeza, é uma necessidade forte inerente ao meu ser, que este, caminhe no sentido da minha essência, seja trilhado, e essa essência é a comunicação.
Dizer no entanto que é apenas a comunicação não é suficiente, visto que é uma necessidade minha libertar-me a mim e ao outro da dor, buscar as causas dessa dor, aceitá-la e depois de a entender deixá-la partir. Com este processo, de identificação, aceitação, e libertação, que pode ser feito também através da arte, acredito que vou fazer bem ao outro, e que vou aprender muito, aprender o que preciso para também elevar o meu espírito, e voar nas asas dessa leveza que se cria quando nos libertamos da dor. Acredito que quando algum de nós cresce, evolui, se conecta com a sua verdade, todos nós crescemos e nos elevamos um pouco também. A olho nu, vemos uma divisão entre nós e o outro, entre as coisas, entre as vidas, no entanto tudo é composto de átomos, moléculas, corpos invisíveis que ligam toda a matéria, nós somos essa matéria. Quando deixarmos de ter essa ilusão de separação, e nos virmos como um corpo só, eliminamos uma série de emoções que escurecem o nosso ser.
O amor é o único caminho, é urgente amar esse corpo divino universal que é parte de cada um de nós, honrá-lo, seguindo a nossa intuição, a nossa consciência, para que a plenitude, o equilíbrio e a paz de espírito possam estar presentes, e vibrar não apenas no nosso corpo mas também no daqueles que estão à nossa volta. Ao libertarmo-nos da dor vamos criar espaço, em nós e no outro, para que ar fresco possa ser respirado, conscientemente. Posto isto, pergunto, já pararam para pensar no valor do ar? O ar é o nosso ouro. Sem ele não há vida e no entanto já se perguntaram o valor que lhe damos? Agradecer o ar, a vida, o toque de quem amamos deveria ser uma necessidade diária. Eu, anseio por deixar este mundo melhor do que o encontrei. Sei que não depende só de mim, mas também depende de mim, e de quantas vidas eu conseguir tocar com a minha mensagem, pondo em prática a preciosa comunicação.
Falando em comunicação, as vozes mentais que me envergonham, me inferiorizam, me amedrontam são cada vez mais pequenas, estão cada vez mais longínquas. Não vou dizer que desapareceram, mas em pouco tempo de meditações diárias de gratidão, limpeza mental, e mentalização dos meus objetivos, elas têm preferido resumir-se a sua insignificância. E a verdade é que gosto mais de mim, sinto-me mais empoderada e decidida a chegar a onde me proponho. Quero partilhar a minha visão, a minha perspectiva sobre a vida. Quero ser fator de soma no mundo, quero levar amor, esperança, luz, e conhecimento a onde for, quero acender luzes nos corações e nas mentes de quem as minhas palavras ou pinturas, ou movimentos chegarem. Não achem com isto que eu me estou a sentir mais especial do que qualquer outro de nós, estou apenas a aceitar o meu caminho, a minha vocação, a minha essência. Porque no fundo, eu não quero dizer nada que tu já não saibas. Se somos um, o meu conhecimento também está em ti, e o que está em ti também está em mim. Às vezes no entanto, é preciso uma lembrança, que acenda a luz, para que possamos ver o mundo maravilhoso que está a nossa volta, e as possibilidades infinitas que dormem no quarto de hóspedes da nossa consciência, à espera de serem convocadas a acordar, a agir e a levar-nos onde precisamos de estar.
Estamos destinados a alcançar a plenitude, através do serviço, das experiências que a vida tão graciosamente nos dá. Se quisermos comunicar com ela ela ouve, a questão que se impõe é, e nós, queremos ouvi-la? Tudo que experienciamos é uma oportunidade para aprender, para sentir, para criar, evoluir. Somos como um pequeno ser que encontrou uma pedra onde bate o sol junto do curso do rio, onde há abrigo, onde está seguro, confortável, ele não quer abandonar a sua pedra, mas um dia o vento não o deixa prolongar mais a sua estadia ali, há que avançar, se ele não der o seu salto de fé, o vento o empurrará. E assim ele cai no rio, e para seu grande espanto, descobre que sabe nadar, vê à sua volta que há muito mais rio, muito mais terra, sensações novas a serem sentidas, na sua pele, na sua mente. É isto que a vida nos pede, e é isto que ela nos dá, estamos prontos para receber? Eu estou, o vento já me empurrou para o rio, agora vou nadar até ao próximo desafio, e aproveitar cada momento da minha viagem como se fosse o único.
Foto por: Sara do Couto <3>

Comments section !

COMMENTS

Leave a Reply

Your email address will not be published. Required fields are marked *